Sitemap

A luz pode afetar os neurônios, o que pode causar doença de Alzheimer, epilepsia e outros distúrbios se eles pararem de funcionar.

O cérebro contém bilhões de neurônios – células minúsculas que usam impulsos elétricos e sinais químicos para se comunicar entre si e com outras partes do corpo.

Quando os neurônios param de funcionar corretamente, isso pode levar ao desenvolvimento de distúrbios cerebrais, como a doença de Alzheimer, epilepsia ou depressão.

Para entender e gerenciar melhor esses distúrbios, os cientistas vêm desenvolvendo técnicas de estimulação cerebral que lhes permitem influenciar a atividade neural.

Nos métodos convencionais de estimulação cerebral profunda, neuroestimuladores elétricos, ou “marcapassos cerebrais”, são implantados cirurgicamente no cérebro.

À medida que a ciência do cérebro continua avançando, os pesquisadores vêm desenvolvendo métodos menos invasivos de estimular as células nas profundezas do cérebro.

Enquanto alguns especialistas usam pulsos magnéticos ou ondas sonoras para estimular os neurônios, pesquisadores da área de optogenética têm usado a luz.

O vencedor do Science and PINS Prize for Neuromodulation deste ano, Shuo Chen, PhD, foi reconhecido por seu trabalho nesta área.

“Dr. Chen e seus colegas mostraram que a luz infravermelha próxima, quando usada em combinação com certas nanopartículas, permitiu a estimulação de neurônios nas profundezas do cérebro”.Dr.Karl Deisseroth, professor de bioengenharia e psiquiatria e ciências comportamentais da Universidade de Stanford, disse à Healthline.

“Mais trabalho precisa ser feito para tornar esse processo robusto e útil”, disse ele, “mas o Dr. Chen e colegas deram um passo importante”.

Engenharia de células cerebrais sensíveis à luz

Deisseroth é um dos principais pioneiros da optogenética, uma técnica na qual as células cerebrais são geneticamente modificadas para responder à luz.

Nesse método de estimulação cerebral, os cientistas transferem pedaços de código genético derivados de algas e outros micróbios para as células cerebrais de camundongos ou outros animais.Esse código genético faz com que os neurônios produzam proteínas responsivas à luz, conhecidas como opsinas.

Quando os cientistas expõem os neurônios produtores de opsina a certos comprimentos de onda da luz do espectro visível, esses neurônios ligam ou desligam.

Ao ativar ou suprimir neurônios específicos, os pesquisadores podem aprender mais sobre o papel que esses neurônios desempenham na função cerebral e nos distúrbios cerebrais.

“Dessa forma, o papel causal e o significado funcional da atividade celular podem ser determinados em qualquer espécie ou tecido ou comportamento de interesse, variando da memória ao humor e ao movimento”.disse Deisseroth.

“A optogenética traz uma capacidade incomparável para falar a linguagem natural do cérebro, em termos de especificidade e velocidade do tipo de célula”, acrescentou.

Desenvolvimento de técnicas não invasivas

Os neurônios produtores de opsina respondem apenas à luz do espectro visível, que não pode penetrar profundamente no tecido cerebral.

Como resultado, a estimulação optogenética tem exigido historicamente a inserção de fontes de luz de fibra óptica dentro do cérebro.

Para desenvolver um método menos invasivo de entrega de luz, Deisseroth e sua colega Polina Anikeeva, PhD, propuseram o uso de luz infravermelha próxima (NIR).

A luz NIR pode atravessar o crânio e penetrar profundamente no tecido cerebral, sem a inserção de fontes de luz internas.No entanto, a luz NIR não desencadeia uma resposta dos neurônios produtores de opsina.

Para aproveitar o poder de penetração do tecido da luz NIR, Deisseroth e Anikeeva desenvolveram um método patenteado para revestir neurônios produtores de opsina em pequenas nanopartículas que convertem a luz NIR em luz de espectro visível.Essa técnica é conhecida como upconversion NIR.

Chen e sua equipe de pesquisa aplicaram esse método, mostrando pela primeira vez que a optogenética de conversão ascendente NIR pode ser usada para controlar neurônios profundos no cérebro de camundongos.

A equipe de pesquisa de Chen usou essa técnica para estimular a liberação de dopamina em uma área do cérebro que se acredita desempenhar um papel na depressão.

“Superar o desafio da profundidade de penetração óptica será a chave para realizar a optogenética remota não invasiva com alto potencial de tradução clínica”,Chen escreveu em seuensaio premiadosobre o tema.

“Nosso estudo recente abordou esse problema aplicando uma abordagem assistida por nanomateriais que ‘desloca’ as ferramentas optogenéticas existentes para a região do infravermelho próximo”, acrescentou.

Aplicando estimulação cerebral em humanos

Embora os cientistas continuem pesquisando a optogenética em camundongos, peixes-zebra e outros animais, ela não foi estudada como tratamento para distúrbios cerebrais em seres humanos.

Mais trabalho precisa ser feito para desenvolver e testar métodos não invasivos de entrega de luz, bem como estratégias não invasivas para transferir código genético para células cerebrais.

“É muito cedo para prever qual técnica emergirá na vanguarda da tecnologia de estimulação cerebral não invasiva de próxima geração”.Chen disse, em um comunicado de imprensa emitido pela Associação Americana para o Avanço da Ciência.

“No entanto, acreditamos que conquistas como a optogenética de upconversion NIR estão desbloqueando rapidamente inúmeras rotas de desenvolvimento e abrindo caminho para um futuro terapêutico brilhante”, continuou ele.

Enquanto isso, outros métodos de estimulação cerebral não invasiva também estão sendo desenvolvidos, testados e usados ​​em humanos.

“Existem métodos não invasivos que dispensam terapias genéticas, como a estimulação magnética e elétrica transcraniana, que já são comumente usados ​​em humanos em caráter experimental”, disse.Ed Boyden, PhD, professor de neurotecnologia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), disse à Healthline.

A estimulação magnética transcraniana (EMT) é um procedimento não invasivo no qual campos magnéticos são usados ​​para estimular células nervosas no cérebro.A Food & Drug Administration (FDA) jápermitidoa comercialização de TMS como um tratamento para depressão maior, bem como transtorno obsessivo compulsivo e enxaquecas.

Membros do grupo de pesquisa de Boyden também realizaram pesquisas sobre estimulação elétrica transcraniana (TES), uma abordagem não invasiva à estimulação cerebral na qual eletrodos são colocados no couro cabeludo.Eles esperam que esta técnica lhes permita alcançar as células profundas do cérebro, com maior precisão do que o TMS.

Todas as categorias: Blog