Sitemap
Compartilhe no Pinterest
Especialistas dizem que a vacinação continua sendo a melhor proteção contra a doença grave de COVID-19.FREDERICO J.BROWN/Getty Images
  • Os dados mostram que o número de mortes por COVID-19 entre as pessoas vacinadas está aumentando.
  • Especialistas observam que a taxa é menor entre as pessoas que receberam doses de reforço.
  • Eles dizem que isso destaca a importância de obter reforços, especialmente para pessoas com maior risco.
  • Eles observam que pessoas não vacinadas ainda correm maior risco de desenvolver doenças graves de COVID-19.

Aumentar ou não aumentar?

Essa pergunta está se tornando mais pertinente à medida que as mortes entre adultos vacinados nos Estados Unidos estão aumentando, enquanto poucos americanos em risco receberam doses de reforço potencialmente salvadoras.

A CNN relata que 4 em cada 10 mortes por COVID-19 ocorreram entre pessoas vacinadas durante o surto de Omicron em janeiro e fevereiro de 2022.

No entanto, especialistas dizem que um aumento nas mortes entre os americanos vacinados é esperado, já que uma porcentagem maior da população é vacinada.

Eles acrescentam que não ser vacinado ainda aumenta muito o risco de contrair um caso grave de COVID-19.

“O contexto é crucial”,Peter Pitts, ex-comissário associado da FDA, bem como professor da Escola de Medicina da Universidade de Paris e presidente do Centro de Medicina de Interesse Público, à Healthline. “Nosso principal imperativo de saúde pública deve ser fazer com que os americanos que ainda não foram vacinados arregacem as mangas e se protejam contra infecções, sintomas graves, hospitalização e morte”.

A absorção do booster é lenta – e custando vidas

As doses iniciais da vacina são realmente importantes, mas parece haver uma necessidade crescente de doses de reforço.

Adultos vacinados que não receberam uma dose de reforço tiveram duas vezes mais chances de morrer em janeiro e fevereiro de 2022 do que aqueles que receberam uma terceira dose da vacina COVID-19 (a quarta dose ainda não estava disponível na época), segundo dados do Peterson-KFF Health System Tracker.

Isso ocorre em parte porque a variante Omicron é a mais evasiva de vacinas até agora.A série inicial de vacinas fornece apenas proteção limitada contra infecção e proteção menos robusta contra hospitalização e morte do que contra variantes anteriores.

Durante o auge da Omicron, os dados da KFF estimaram que, sem um reforço, a série inicial de vacinas era apenas 79% eficaz na prevenção da morte.

No entanto, com um reforço, esse número sobe para 94%, de acordo comdadosdos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

No entanto, apenas 69% das pessoas com mais de 65 anos receberam doses de reforço em todo o país.Em alguns lugares, como Flórida, Arizona e Nevada, apenas cerca de 55% dos adultos com 65 anos ou mais receberam uma terceira ou quarta dose, informou o The Hill.

“As doses de reforço são essenciais com base na longevidade da eficácia”,Dr.Cindy M.Duke, fundador e diretor de laboratório do Instituto de Fertilidade de Nevada e professor assistente clínico da Escola de Medicina da Universidade de Nevada, à Healthline. “Uma vez que se recebe seu primeiro reforço, ele serve como uma sobreposição de proteção, pois a primeira e a segunda doses perdem sua eficácia ao longo do tempo. Pense nisso como uma renovação da proteção contra o vírus.”

Impulsionando os impulsionadores

O benefício das doses de reforço parece claro, então como levar mais vacinas aos braços das pessoas, especialmente aquelas nos grupos de maior risco?

O problema é tanto social quanto psicológico, sugere o Dr.David Cutler, médico de medicina familiar do Providence Saint John’s Health Center, em Santa Monica, Califórnia.

“À medida que a pandemia de COVID permanece no terceiro ano, parece haver duas perspectivas diferentes sobre esse evento cataclísmico”, disse.Cutler disse à Healthline. “Muitos veem a ameaça como passada, as mortes em todo o mundo estão diminuindo e é hora de voltar à vida normal que tínhamos antes da existência do COVID. Outros lamentam mais de um milhão de mortos nos EUA, [cerca de] 300 ainda morrem todos os dias, números crescentes de infecções e a perspectiva de ainda mais novas variantes.'

“Dadas essas duas visões muito diferentes da ameaça”,Cutler explicou, “não é de admirar que existam diferentes pontos de vista sobre o valor das vacinas de reforço”.

“O valor das vacinas de reforço na redução de mortes e infecções é inquestionável, mas para quem vê o risco de morte como baixo; as infecções omicron como leves; e têm uma percepção exagerada do risco das vacinas, o benefício dos reforços pode não justificar qualquer risco percebido”, acrescentou.

Para mudar isso, precisamos de coordenação entre o governo e os sistemas de saúde em todo o país para divulgar.

"Educação. Educação. Educação. Não houve esforços de comunicação direcionados projetados e direcionados a americanos mais velhos até o momento”,disse Pitts. “Isso deve mudar. Devemos encontrar maneiras de convencer os americanos mais velhos não vacinados a receber seus jabs iniciais e aqueles já vacinados a serem reforçados. A maneira de reduzir hospitalizações e mortes é aumentar a proteção das comunidades em risco”.

Todas as categorias: Blog