Sitemap
Compartilhe no Pinterest
Os antidepressivos podem não produzir melhorias a longo prazo para alguns indivíduos.Ismael Juan Salcedo/EyeEm/Getty Images
  • Um dos tratamentos mais utilizados para a depressão são os medicamentos antidepressivos.Eles geralmente são destinados ao uso de curto prazo.
  • Embora os antidepressivos tenham alguns benefícios para certos indivíduos, seu impacto na qualidade de vida geral a longo prazo não é totalmente compreendido.
  • Um novo estudo sugere que o uso de antidepressivos pode não melhorar a qualidade de vida geral das pessoas com depressão.

A depressão é um transtorno de humor que afeta tanto a forma como as pessoas se sentem e funcionam.Os antidepressivos são medicamentos que os médicos geralmente prescrevem para tratar a depressão e melhorar os sintomas.No entanto, os pesquisadores ainda estão aprendendo sobre sua eficácia a longo prazo.

Um estudo recente publicado na revista PLOS One descobriu que pessoas com depressão que usaram antidepressivos por longos períodos de tempo não tiveram melhorias maiores em sua qualidade de vida em comparação com pessoas com depressão que não usaram antidepressivos.

Os resultados do estudo levantam questionamentos sobre como usar os medicamentos combinados com outros métodos de cuidado.

Depressão e medicamentos antidepressivos

oInstituto Nacional de Saúde Mentalobserva que a depressão é um transtorno de humor grave que pode afetar os pensamentos, sentimentos e ações das pessoas.Pode interferir na vida cotidiana das pessoas e dificultar a realização das atividades que desejam.

Um médico pode diagnosticar pessoas com depressão se tiverem sintomas específicos por mais de duas semanas.Alguns sintomas comuns de depressão incluem o seguinte:

  • Sentimentos de desamparo, culpa, desesperança, pessimismo ou inutilidade
  • Falta de energia ou aumento da fadiga
  • Pensamentos suicidas ou tentativa de suicídio
  • Alterações no apetite ou peso
  • Perda de interesse ou falta de prazer em atividades ou hobbies
  • Problemas para se concentrar ou tomar decisões

O tratamento para a depressão envolve muitos componentes, mas uma parte importante é a medicação.Antidepressivossão um grupo de medicamentos e funcionam de maneiras diferentes.Por exemplo, os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs) ajudam a aumentar os níveis de serotonina e epinefrina no cérebro.

Pessoas com depressão devem tomar antidepressivos sob supervisão apropriada de seus médicos.

Em geral, os antidepressivos podem ser um tratamento eficaz para pessoas com depressão.No entanto, os pesquisadores ainda estão descobrindo a eficácia total dos antidepressivos e seu impacto no bem-estar geral e na qualidade de vida.

O impacto dos antidepressivos na qualidade de vida

O estudo em questão examinou a qualidade de vida de dois grupos de pessoas com depressão: as que usavam medicamentos antidepressivos e as que não usavam.A qualidade de vida relacionada à saúde inclui elementos de saúde física e mental.

O componente físico se concentrou em aspectos da saúde física, como dor, problemas de saúde física e níveis de energia.A parte mental se concentrou em fatores como funcionamento social, bem-estar psicológico e limitações devido a questões emocionais.

Para o estudo, os pesquisadores usaram dados do Medical Expenditure Panel Survey (MEPS), que avalia a saúde por meio de um sistema de auto-relatos das pessoas, enquanto médicos e empregadores ajudam a verificar os dados.

Os pesquisadores usaram os arquivos médicos do MEPS de 2005 a 2015 para identificar adultos que tinham depressão e se usavam ou não medicamentos antidepressivos.Eles analisaram dados de participantes da pesquisa que tiveram um acompanhamento de dois anos.

Os pesquisadores queriam ver se a qualidade de vida era melhor ao longo do tempo para os participantes que usavam antidepressivos.Eles descobriram que aqueles que usaram antidepressivos tiveram alguma melhora no resumo do componente mental.

No entanto, eles não encontraram diferença significativa na qualidade de vida dos participantes que usaram antidepressivos em comparação com aqueles que não usaram.Os resultados indicam que os antidepressivos não ajudam a melhorar a qualidade de vida ao longo do tempo.

Limitações do estudo e novas estratégias

O estudo teve várias limitações.Os pesquisadores deste estudo não conseguiram determinar a causa e havia risco de confusão.

Seus dados não distinguiram entre os diferentes tipos de depressão, a gravidade da depressão ou quando a depressão foi diagnosticada.Algumas pessoas com outros transtornos de humor também podem ter sido incluídas na análise com base nos métodos utilizados.

Além disso, os pesquisadores observam que os números coletados de pessoas com depressão nos EUA podem estar subestimados.

O estudo não implica que as pessoas com depressão devam parar de usar medicamentos ou que os antidepressivos não sejam um componente valioso no tratamento da depressão.No entanto, os especialistas precisam fazer mais pesquisas sobre os efeitos a longo prazo desses medicamentos na qualidade de vida.

Os pesquisadores também podem explorar como incorporar o uso de outras estratégias de tratamento no tratamento da depressão.

Autor do estudo Dr.Omar Almohammed, professor assistente de farmácia clínica da Universidade King Saud, na Arábia Saudita, observou o seguinte ao MNT:

“Embora ainda precisemos que nossos pacientes com depressão continuem usando seus medicamentos antidepressivos, são necessários estudos de longo prazo avaliando o real impacto das intervenções farmacológicas e não farmacológicas na qualidade de vida desses pacientes”.

“[O] papel das intervenções cognitivas e comportamentais no manejo a longo prazo da depressão precisa ser mais avaliado em um esforço para melhorar o objetivo final do atendimento a esses pacientes— melhorando sua qualidade de vida geral.”
— Dra.Omar Almohammed

Prof.Estevão C.Hayes, professor de psicologia da Universidade de Nevada, que não esteve envolvido no estudo, observou o seguinte ao MNT:

“Esta enorme análise de banco de dados secundário se encaixa amplamente com tudo o que sabemos sobre farmacoterapia para depressão: tem efeitos fracos ou até ausentes no funcionamento e na qualidade de vida, especialmente a longo prazo. Um estudo como este não pode dizer por que, mas pode desafiar por que o atendimento clínico continua na mesma estrada, ano após ano”.

Ele observou que poderíamos concentrar esforços futuros na criação de tratamentos mais individualizados.

Ele explicou:

“Pode fazer sentido ignorar grandes diferenças individuais no que as pessoas precisam e continuar aplicando soluções ‘tamanho único’, muitas vezes farmacológicas se os resultados forem ótimos ou até bons.”

Prof.Hayes disse que o estudo mostrou que a prática clínica e a pesquisa precisam mudar.

“As pessoas têm o direito de exigir um atendimento mais personalizado que leve suas lutas específicas com humor, pensamento e vida mais a sério, e que forneça soluções baseadas em evidências que não apenas funcionam, [mas] sabemos por que elas funcionam”.
— Profa.Estevão C.Hayes

Todas as categorias: Blog